ESTRAGOS DA CHUVA : Prefeitura mobiliza equipes e inicia mutirão


Pelotas registrou, entre a noite de sexta-feira e a manhã de ontem, 167 milímetros de chuva – leitura do pluviômetro do Centro –, ultrapassando em mais de 35% a média mensal de setembro, de 123,7 milímetros.

A quantidade de água, acima de qualquer previsão, gerou problemas que exigiram determinação, agilidade e presteza dos serviços públicos. Prefeitura, Defesa Civil (DC) e Sanep mantiveram maquinário e equipes em ação durante a instabilidade e, agora, partem às ruas e estradas para recuperá-las dos danos e prejuízos.

O pluviômetro do Sanep, instalado na barragem do Santa Bárbara, acusou o acumulado de 227,5 milímetros até a noite da quarta-feira, a contar da sexta-feira. O Centro de Pesquisas Agrometeorológicas da Embrapa/UFPel, localizado no campus Capão do Leão, fechou a leitura, às 9h de ontem, acusando 137,7 milímetros no mesmo período. Embora as variações, todos os transtornos foram de grande porte, de acordo com avaliação de titulares de secretarias, do Sanep e da Defesa Civil.

DEFESA CIVIL

O secretário executivo da Defesa Civil de Pelotas, João Artur Nascimento, informa que somente um chamado foi registrado no período de seis dias. Morador do Corredor do Obelisco, Dunas/Areal, pediu ajuda. A água da chuva invadiu casas na localidade. Equipe desobstruiu canalete para facilitar a vazão. Não há desabrigados ou desalojados na cidade.

No Laranjal, de acordo com a DC, a água já está mais baixa. Nascimento informa que já foi restabelecido o acesso à Unidade Básica de Saúde (UBS). Ele aponta a mudança da direção do vento, para Sul, como um dos fatores responsáveis pelo escoamento. A DC acompanha a Secretaria de Saúde (SMS), nesta quinta-feira, em visitas a UBSs e proximidades, para providenciar melhorias no acesso onde for necessário.

   SERVIÇOS URBANOS

A Secretaria de Serviços Urbanos e Infraestrutura (Ssui) definiu os locais prioritários para atuação das frentes de trabalho. As turmas de drenagem, caçambas, retroescavadeiras e Mão de Obra Prisional (MOP), dividem-se nos seguintes pontos:

  • Canal da rua 27, divisa entre Getúlio Vargas e Pestano, bairro Três Vendas
  • Rua Oito, Pestano
  • Sítio Floresta
  • Corredor do Obelisco, a partir da Rua 25
  • Recanto de Portugal (ruas Cidade de Santarém e Vila de Ovar)
  • Rua Torres, no Balneário dos Prazeres
  • Vila Verona, no Fragata
  • Rua Francisco Lima, no Areal
  • Rua Paulo Guilayn, no Porto
  • Rua Mauá, ao lado da UBS
  • Rua Augusto Medeiros dos Anjos, no Fragata
  • MOP no Jardim do Prado, Três Vendas

Na quarta-feira, a Ssui atuou no Corredor do Obelisco e nas ruas Torres e Ulysses Batinga, em caráter emergencial, além de outros pontos onde foram necessárias intervenções.

   SANEP

Ações do Sanep, com funcionários e maquinário, foram marcantes para minimizar os transtornos na avenida Espírito Santo e rua 29, no Laranjal, na quarta-feira. A retirada do excesso de vegetação dos canais das duas vias permitiu mais agilidade na vazão das águas.

Na manhã desta quinta, a autarquia atua na desobstrução de sistema na avenida Dom Joaquim. Outras frentes realizam intervenções de desobstrução de caixas de drenagem.

TODAS as administrações regionais e distritais do Município estão em atividade

TODAS as administrações regionais e distritais do Município estão em atividade

   Desenvolvimento Rural

A Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio das administrações distritais, prossegue no levantamento de estragos e prejuízos causados pelas chuvas. As prioridades para atendimento continuam sendo os trechos de deslocamento de pedestres, estradas, pontes e bueiros por onde passam a produção diária de leite e de hortifrutigranjeiros.

Até a manhã de ontem, entre os pontos identificados com problemas, estão as seguintes pontes:

  • Ponte Marta Helena, 7º distrito, Quilombo – interrompida há algum tempo e atualmente em construção, foi atingida pelas águas. A passarela provisória para pedestres está funcionando.
  • Ponte Vila Nova, 7º distrito, Quilombo – encontra-se submersa. A SDR aguarda que o nível da água do arroio baixe, para avaliar os danos e reforçar o aterro nas cabeceiras.

Pontes Salão dos Primos, 4º distrito, Triunfo – a antiga, de madeira, encontra-se submersa; a de concreto, em construção, com a estrutura sobre o vão já concluída, deverá receber o aterro das cabeceiras nos próximos dias.

As estradas das colônias Osório e Py Crespo, no 3º distrito, Cerrito Alegre, acusam problemas de trafegabilidade devido às características do solo da região. Tão logo o tempo retome a estabilidade e o terreno seque, a SDR fará a manutenção e a colocação de cascalho nos leitos.



Fonte: Diário da Manhã | Laranjal