Praia do Laranjal em Pelotas - Turismo no Rio Grande do Sul, Turismo em Pelotas
Praia do Laranjal em Pelotas - Turismo no Rio Grande do Sul, Turismo em Pelotas

Quadra moderna, nova categoria sub-17, treinos funcionais e time feminino estão na pauta com o professor Vinicio

Por: Henrique König

O Futsal pelotense está em alta nessas últimas temporadas. Inovações e crescimento de equipes adultas, e principalmente das categorias de base, estão começando a apresentar resultados. Uma das equipes locais em evidência é a EPV, Escolinha do Professor Vinicio Braun, com quem conversamos neste começo de maio. O principal responsável por essa crescente da EPV passou um domingo diferente na comemoração de um ano do seu ginásio na Rua Três de Maio, esquina Visconde de Jaguari, nº 164, na fusão do Bairro Centro com o Bairro Porto. Na companhia somente da família na sua segunda casa, ele atendeu ao Diário da Manhã para conversar sobre o projeto.

Formado em Educação Física em 2010, Vinicio começou em 2011 na Escola Castro Alves. Trabalhava com a escolinha em uma quadra simples, de cimento. Encarou um inverno chuvoso antes da migração para o ginásio do Soccer 5, no Porto. Quando encerrou seus trabalhos pelo colégio, fundou seu próprio projeto em 2015, com o nome de EPV. Com muito suor e abdicando de outras ideias, conseguiu seu espaço próprio, que é mais do que um ginásio, a Arena EPV. Ela conta com duas quadras, uma muito moderna, de piso “emborrachado”, a quarta da cidade nestes moldes, afirma Vinicio, e a outra das mais conhecidas tábuas. Além da estrutura das quadras para treinos e aluguel do ginásio, há uma área de convivência, uma quadra de areia, podendo ser utilizada para vôlei, e a área para treinos funcionais.

Segundo o professor, a EPV foi a primeira equipe de Futsal local a oferecer os treinos de funcional com área própria, tendência no esporte atualizado. “No dia 17 de março, comemoramos o 5º ano da escolinha. Costumamos fazer a pré-temporada na praia do Laranjal, com exercícios físicos. Este ano, sem o horário de verão, fizemos no próprio ginásio. Foi um período que, em cerca de um mês, apareceram 30 alunos procurando a Escolinha”, se contenta Vinicio.

As categorias são do sub-5 ao sub-17. É o primeiro ano de sub-17, uma exigência que vários profissionais da cidade vinham pedindo, para o melhor abastecimento das equipes adultas, que estavam nesse hiato entre os mais jovens e as competições de cardápio principal. “Gosto de trabalhar com turmas de até 15 alunos e algumas categorias já têm duas formadas.” Nesse crescimento, o Futsal Feminino também vem ganhando espaço na EPV.

Os treinos inicialmente eram sempre aos sábados, mas Vinicio foi abdicando do trabalho nas escolas em que era professor e cada vez mais tem se dedicado às atividades da EPV. Ele afirma que, regionalmente, as equipes já faziam frente com as melhores locais, mesmo com os treinos só aos sábados. Introduzindo horários durante a semana, a tendência é avançar no cenário local e estadual.

Em 2018, a EPV foi eleita Escolinha Revelação na Copa Sul-Brasileira, em Santa Catarina. Vinicio levou as categorias sub-10 e sub-11. No ano seguinte, novamente belas campanhas, com a sub-11 indo até a semifinal de forma invicta e parando só no campeão, o time de Jaraguá do Sul. A categoria sub-15 foi até as quartas de final. Em 2020, esperando pela confirmação do novo calendário, o professor quer subir para SC com cinco ou seis turmas. “Estão todos muito ansiosos”, garante.

A fórmula do sucesso é conjunta com outros três profissionais, entre preparador de goleiros, professor e um novo estagiário. Mas, além disso, parcerias são fundamentais. Clínicas de Fisioterapia, de Nutrição e Odontológica são parceiras, oferecendo consultas e descontos para os associados. Atendimento psicológico também está incluso no projeto.

EPV na disputa da Copa Sul-Brasileira em Itajaí; de boné, no canto superior esquerdo, o coordenador

EPV na disputa da Copa Sul-Brasileira em Itajaí; de boné, no canto superior esquerdo, o coordenador

Durante a pandemia, a solução é pela internet. A primeira fase Vinicio intitulou de “Fome de Bola” para não deixar a peteca cair e oferecer aulas e atividades no formato em vídeo. Na segunda fase, lives fazem parte do dia a dia dos estudantes que estão em casa. Hoje são cerca de 150 matriculados no projeto.

Com a filosofia de ofertar ensino igual para todos, a EPV tem a presença de bolsistas, independente de serem os melhores ou não do time. Nessa concepção de mundo, também foi organizada uma campanha para arrecadar alimentos, que deu frutos no fim de abril. Foram recolhidos mais de 57 quilos de alimentos não-perecíveis e cerca de 30 litros de leite. Entre as famílias auxiliadas, duas fazem parte do cotidiano da EPV. Mais um gol de placa do projeto.

No aguardo por novas ordens municipais, cabe a Vinicio e seus companheiros de trabalho esperarem também pela volta das escolas. Ele afirma que somente assim será possível reorganizar a possibilidade do Futsal, sem apressar o compromisso da quadra de forma irresponsável. É pensando na saúde pública em primeiro lugar

que o Futsal pelotense permanece parado, mas na ânsia de bem representar a cidade nas próximas etapas.



Fonte: Diário da Manhã | Laranjal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *