Praia do Laranjal em Pelotas - Turismo no Rio Grande do Sul, Turismo em Pelotas
Praia do Laranjal em Pelotas - Turismo no Rio Grande do Sul, Turismo em Pelotas
Praia do Laranjal, Pelotas, Rio Grande do Sul

Já se passaram onze anos desde que o Sebrae as encontrou tecendo pedaços de redes que não serviam mais para os homens pescadores da Colônia Z3 atirarem na Lagoa e trazer de volta com o camarão ou o peixe. Elas faziam o que podiam e imaginavam. Daquele aprendizado ficaram lições que as mulheres redeiras não esquecerão jamais.

Ao contrário: hoje, ao entrar na Banca 43 do Mercado Público de Pelotas, cujo nome é Artesanato da Costa Doce, a gente encontra mulheres com o olhar firme, a voz segura, a postura de quem sabe o que faz e a força que tem.

Ao lado das companheiras dos grupos Bichos do Mar de Dentro e Ladrilã, as Redeiras da Z3 vendem carteiras feitas com o fio das redes ou em couro, bolsas, biojóias em prata e escamas, xales, chapéus, colares de fios de redes, pulseiras, chaveiros. “Trabalhamos com o fio das redes, a escama da corvina e a pele do linguado”, conta Flávia Silveira, esposa de pescador, que está no grupo desde antes da chegada do Sebrae.

Com ela, na Banca, no dia em que o Jornal do Laranjal foi fazer a reportagem, também estavam Karine Portela e Eliane Aires Ferreira, todas moradoras da Z3. Capazes de gerir as próprias vidas, elas posam sorridentes para as fotos. A banca sempre tem visitantes e os produtos são muito procurados. Sempre junto ao grupo da Z3, Tânia Furtado que preside a Associação Ladrilã e faz parte do grupo Bichos do Mar de Dentro.

A rede de pescar camarão é utilizada pelo pescador em torno de cinco safras, período em que ela é exposta a água e sol por longo período, sofrendo desgaste e danos. Quando atinge um estado que não compensa mais ser consertada, o pescador descarta-a, deixando nos fundos dos galpões ou mesmo na rua ou beira de praia.

As artesãs recolhem, retiram a sujeira grossa e depois lavam várias vezes usando o tanque para bater e a máquina de lavar e extrair o resto da sujeira, assim, usando somente sabão em pó e amaciante, elas deixam as redes limpas e prontas para serem usadas no artesanato. Esta etapa está sendo ensinada para mulheres de pescador, para que possam agregar renda familiar.

Loja localizada no Mercado Público Municipal

O próximo processo é recortar a rede manualmente e transformá-la em rolos de fios que serão usados para confeccionar produtos em diversas técnicas como bolsas, carteiras, chapéus e acessórios femininos e em diversas cores.

As vendas não se restringem à Banca. As Redeiras e as colegas do Ladrilã e do Bichos do Mar de Dentro recebem encomendas de outras cidades do país. Muitos produtos viajam durante o ano para lojas e butiques em São Paulo, Rio de Janeiro, Praia de Porto de Galinhas em Pernambuco e Minas Gerais.

Para os contatos comerciais e a consultoria do grupo, as Redeiras contam com o apoio de Rosani Schiller, que trabalhou com elas durante o período de atuação do Sebrae. Quando acabou a parceria, Rosani permaneceu ao lado das amigas.

The post REDEIRAS: ELAS LANÇAM SUAS REDES CADA VEZ MAIS LONGE appeared first on Jornal do Laranjal.



Fonte: Jornal do Laranjal

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on tumblr
Tumblr
Would you like to receive notifications on latest updates? No Yes